Quem Somos Nos Filme Critical Thinking

A wedding photographer in a state of post-divorce triste, Amanda (Marlee Matlin), starts a search for meaning. But science keeps colliding with her spiritual quest as What the Bleep Do We Know!? - a film by William Arntz and Betsy Chasse - interrogates a range of talking-head savants about whether the physical world its heroine sees around her is quite what it seems, and whether mind and emotion can influence matter. Mysteries (and apparent miracles) of physics and neurology unfold: European explorer ships, it is said, were invisible to native peoples because they had never seen a ship before; a basketball lesson in the behaviour of matter is conducted by a precocious child called Reggie; and, most surprising, photographs of water crystals published by one Masaru Emoto of Japan are shown as evidence that the structure of water can be changed by good or bad thoughts. Richard Dawkins
This film is even more pretentious than it is boring. And it is stupefyingly boring - unless, of course, you are fooled by its New Age fakery, in which case it might indeed be - as many innocent dupes have stated - "life-changing". The one redeeming feature is the enigmatic charm of the deaf heroine, whose depressive journey down the rabbit hole of life is punctuated by gobbets of bogus sagacity from a dozen talking heads. But no amount of charm could redeem the unforgivable phoniness of the script.Over-use of the word "paradigm" is a pretty good litmus for inclusion in the scientific equivalent of Pseud's Corner, and the film's "expert" talking heads score highly. Perhaps the leading one is "Ramtha", a dead warrior from Atlantis who addresses us (in a fake accent) through his "channeler", a woman called JZ (Judy) Knight, founder of the Ramtha Cult which sponsored the film. Thirty-five thousand years in the grave have not dulled Ramtha's business sense: he charges $1,000 per counselling session. Poor JZ has her work cut out.The authors seem undecided whether their theme is quantum theory or consciousness. Both are indeed mysterious, and their genuine mystery needs none of the hype with which this film relentlessly and noisily belabours us. Not surprisingly, we get no enlightenment on either topic, nor on the alleged connection between them. Instead, we are told that indigenous peoples were "literally" unable to see early European vessels arriving off their shores - presumably because the ships lay outside their "paradigm". We are told that "All emotion is holographically imprinted chemicals"; that "Each cell has a consciousness"; and that "God is the superposition of all the spirits from all things".What drives me to despair is not the dishonesty of the charlatans who peddle such tosh, but the dopey gullibility of the thousands of nice, well meaning people who flock to the cinema and believe it.· Richard Dawkins FRS is the Charles Simonyi Professor of the Public Understanding of Science at Oxford. His latest book is The Ancestor's Tale. Clive Greated
Bleep raises thought-provoking questions about science and its relationship to spirituality and metaphysics. Present thinking on neurology and addiction are covered in some detail but, unfortunately, early references in the film to quantum physics are not followed through, leading to a confused message. Scenes of the lad wanting to play basketball with Amanda may lead people to think that quantum properties, which describe matter at a very small scales, are equally applicable at large scales. In reality, quantum effects at large scales are extremely small and the motion of an object like a basketball is almost perfectly described by classical physics.Masaru Emoto's photographs of water, which Amanda comes across after missing the underground train, are even more confusing. Pictures we are shown from his dark-field microscope are presumably of tiny frozen water droplets. These patterns are dependent on the complex structure of ice and are influenced by any suspended matter in the water so it is hardly surprising that he obtained lots of interesting shapes. The idea that he can change these by thought processes or by sticking messages on bottles is ridiculous though.Another point I question is that Bleep seems to rule out the marrying of institutional religion with modern physics. In fact many religious people find that concepts of time and space, put forward by Einstein, support their religious beliefs.Despite these caveats, this is a feel-good film with nice photography and super computer animations. I hope it develops into a cult movie in the UK as it has in the US. Science and engineering are important for our future, and anything that engages the public can only be a good thing. Take your friends and family to see the film and have fun yourself pondering the issues.· Clive Greated is Professor of Fluid Dynamics in the School of Physics, University of Edinburgh, and a Fellow of the Royal Society of Edinburgh. Simon Singh
I have spent my entire working life either doing science or conveying its meaning and beauty to the public. Consequently, I despise What the Bleep Do We Know!?, because it distorts science to fit its own agenda, it is full of half-truths and misleading analogies, and some of its so-called scientific claims are downright lies. Worse still, having achieved cult status in America, this film has already duped millions into mistaking pure claptrap for something of cosmic importance.For example, WTB explains how quantum physics implies a crucial role for the observer in any experiment - so far, so good, except it requires several years of study to appreciate the subtlety and true significance of this statement. However, WTB is not too bothered about the truth. The water experiment is junk pseudo- science of the worst kind and has never been replicated by a mainstream scientist. Nevertheless, WTB carries down its illogical path by suggesting that if observing water changes its molecular structure, and if we are 90% water, then by observing ourselves we can change at a fundamental level via the laws of quantum physics. Thanks to WTB, this kind of ridiculous balderdash is being peddled by the likes of Drew Barrymore on the David Letterman Show.And if you are still considering going to see this film, then please bear in mind the credibility and motives of the interviewees in the film. John Hagelin, one of the PhD physicists, is from the Maharishi University of Management. Take my advice and do not see this film. I repeat, do not see this film. I repeat again, do not see this film. If you do, then you will leave the cinema misinformed, £8 poorer and having wasted two hours of your life.· Simon Singh has a PhD in particle physics from Cambridge University. He is also the author of The Code Book and Big Bang, and reviews What the Bleep Do We Know!? for Front Row on BBC Radio 4, Thursday, 7.30pm. Joao Migueijo
Combinations of science and spirituality would be so much improved by simply dropping the science ... Such is sadly the case with this film, which is horrendously tedious even before we get to its substance. Its meat, alas, only makes matters worse. It would be unwise to condemn total lunacy; it has an important role in society, that of keeping us human. But to deliberately misquote science to gain credibility sounds desperate and badly backfires.The list of examples is endless. You'll learn that God is a quantum superposition and our divine free will a quantum effect. And the collapse of the wave function is obviously the reason the paranormal works. That's why mass meditation was "scientifically" proven, according to the film, to have reduced crime in Washington DC. If you're still not convinced just look at the gleaming "micro-photographs" of water, with its molecular structure much improved by the blessings of a Zen Buddhist monk. It reminded me of an outbreak of diarrhoea at the Sanctuary of Fatima in Portugal that was eventually traced to pilgrims drinking blessed water.Overall, if you manage to stay awake, you'll be exposed to such ludicrous extrapolations from microphysics that you may emerge expecting electrons to have vaginas.One can see how the current US political situation came to exist (Ban guns to cut crime? Nah ... just say "Om"). And one can also understand why the political status quo has such a vested interest in suppressing quality education for the masses. America has long been the land of misinformation, ignorance and prejudice. This is abundantly confirmed by a film, which against all appearances, is actually very mainstream.What the hell do we know? Please just give us unadultered old-style underground lunacy - it's so much more entertaining.· Dr Joao Migueijo is reader in theoretical physics at Imperial College, London.What the Bleep Do We Know!? is released on Friday.

Eu não queria escrever esse artigo, mas infelizmente o documentário Quem Somos Nós? (em inglês What the Bleep do we Know!?) voltou a circular na internet, em especial, nos grupos de física no Facebook.

Quem Somos Nós é um documentário de pseudociência que distorce os conceitos da mecânica quântica. Uma pessoa que não tem noção básica de mecânica quântica acaba acreditando nesse filme por falta de informação. Para um leigo, é praticamente impossível distinguir em qual parte o documentário começa a viajar no mundo dos unicórnios.

O problema desse documentário é misturar ciência com espiritualidade, consciência (não em referência aos estudos em filosofia da mente e neurociência, mas com base em pseudociências) e outras crenças esotéricas New Age, repassando a informação como algo comprovado pela ciência, em especial, pela mecânica quântica. Em primeiro lugar a mecânica quântica não fala sobre espiritualidade, consciência ou meditação, e a ciência ainda não conseguiu explicar a consciência (os últimos estudos foram inconclusivos). [1]

QUEM SÃO OS “ESPECIALISTAS” DO DOCUMENTÁRIO?

 Somos uma plataforma dedicada ao conhecimento que só poderá continuar a existir graças a sua comunidade de apoiadores. Saiba como ajudar.

O documentário é apresentado por um ex-padre que pregava o evangelho do irmão gêmeo de Jesus, um médico que quer curar os gays e acha que os liberais são retardados mentais, outro que exerce uma terapia não reconhecida pela ciência, um físico praticante de levitação, um cara morto há 35.000 anos baixando em uma dona loira e, em má companhia nesta turma, um físico sério enganado pelos discípulos de uma seita maluca. [2]

“QUEM SOMOS NÓS” EM POUCAS PALAVRAS

01 – A física quântica nos diz que a realidade não é fixa – partículas subatômicas só passam a existir quando eles são observadas.

02 – Nossa mente tem um enorme potencial, mas só usamos uma pequena parte dela para o pensamento consciente, e perdemos muito do que está acontecendo ao nosso redor.

03 – Se a sua mente é o “observador”, você deve ser capaz de escolher qual das muitas realidades possíveis em torno de você vem à existência – você pode criar sua própria realidade, e provavelmente virá sem medicação anti-ansiedade para arrancar.

Só tem um “pequeno” problema com tudo isso citado acima! Está tudo errado!

O EFEITO DO OBSERVADOR

“A mecânica quântica calcula apenas possibilidades. Quem ou que escolhe entre essas possibilidades para trazer o evento real da experiência? A consciência deve estar envolvida. O observador não pode ser ignorado.” Amit Goswami (PhD) em Quem Somos Nós.

Não exatamente, Amit. O efeito do observador na mecânica quântica não é sobre pessoas ou realidade. Ela vem do Princípio da Incerteza de Heisenberg, e é sobre as limitações ao tentar medir a posição e o momento das partículas subatômicas. Um material emocionante, mas nada a ver com nossas vidas diárias.

Heisenberg basicamente disse que você não pode obter uma solução realmente precisa, tanto a posição e o momento de uma partícula subatômica – digamos, um elétron – ao mesmo tempo. Pode ser preciso em um ou o outro, mas não em ambos. Na verdade, é a máquina que é o observador, e não o ser humano que está anotando resultados. [3]

FORA DA EXISTÊNCIA DE PARTÍCULAS

“A realidade física é absolutamente uma rocha sólida, mas ele só passa a existir quando ele bate contra outro pedaço de realidade física – como nós, ou uma pedra.” Dr. Jeffrey Satinover (psiquiatra, doutorando em física), em Quem Somos Nós.

Os pedaços de matéria que compõem as partículas subatômicas (prótons, nêutrons e elétrons) não existem em nenhuma maneira prática, mensurável, a menos que eles estejam interagindo uns com os outros. Uma vez que eles não colidem uns com os outros, eles formam seus pequenos eus regulares.

Mas isto só se aplica às partículas subatômicas – uma rocha não precisa que você esbarre nela pra existir. Ela está lá. As partículas subatômicas que compõem os átomos que compõem a rocha também estão lá.

E isso certamente não depende de um observador para fazer isso acontecer. Enquanto uma partícula subatômica está interagindo com outra partícula subatômica, elas existem independentemente de onde você está ou o que você está fazendo.

NOTA: Quando eles usam a palavra “observar”, na verdade significa “interagir com o”, e não olhar ou pensar.

“As partículas aparecem e desaparecem – para onde vão quando não estão aqui Uma resposta possível: eles vão para um universo alternativo onde as pessoas estão fazendo a mesma pergunta: ‘Onde eles foram?'” Fred Alan Wolf, em Quem Somos Nós.

Elas não vão a lugar algum, Fred. Partículas são flutuações – as regras da física dizem que é perfeitamente bem para que eles existam em algum momento e/ou lugar e ser inexistente em outro momento e/ou lugar. [4]

ELES ESTÃO ERRADOS SOBRE AS NOSSAS MENTES PERCEBEREM A REALIDADE

“Sua mente não pode dizer a diferença entre o que vê e o que se lembra de” Dr. Joseph Dispenza (quiroprático) em Quem Somos Nós.

Dr. Dispenza afirma (corretamente) no filme que os exames PET E MRI mostram que a mesma parte do cérebro se ativa sempre que você olha algo ou apenas se lembra da coisa. Mas é um grande passo dizer que o cérebro não sabe a diferença entre a visão e a memória.

Nosso cérebro não nasceu ontem. Dado algumas pistas contextuais, como por exemplo, quando as pálpebras estão abertas ou fechadas, ele pode perceber alguma coisa vendo ou só se lembrando. E tem o fator escalar – o cérebro se mostra ativo nos scans muito mais forte quando você está vendo alguma coisa do que quando você está lembrando-se de algo.

“Nosso cérebro recebe 400 bilhões de bits por segundo de informação, mas só somos conscientes de 2000 bits por segundo. A realidade está acontecendo a todo tempo no nosso cérebro  – estamos recebendo a informação mas ela não está sendo integrada.” Andrew B Newberg (médico radiologista) em Quem Somos Nós.

Os valores são um pouco flexíveis, mas a ideia de que só somos “conscientes” de uma fração da nossa atividade cerebral é correta e um imenso alivio.

O que pode ser pior do que estar ciente de cada pequeno detalhe que nosso cérebro recebe – desde os níveis de fosfato até a taxa cardíaca e no crescimento capilar. É como ser o CEO de uma gigantesca empresa e escutar o que cada funcionário está fazendo a cada minuto todo o dia. Reuniões já são entediantes o suficiente – Me dê uma mente consciente com um dispositivo de filtro decente qualquer dia.

O único problema com a afirmação de Andrew Newberg é que ela sugere que nosso subconsciente está fazendo coisas realmente interessantes e estamos de alguma forma perdendo isso. Se pudéssemos aproveitar o outro zilhão de gigabits poderíamos ser os mestres do nosso destino. Se isso é verdade ninguém pode medir isso ou ver os efeitos.

“Só podemos ver o que é possível – os índios americanos nas ilhas caribenhas não puderam ver os navios de Colombo (ao horizonte) pois eles estavam além do conhecimento deles.” Dr. Candace Pert (ex-cientista, atual guru da nova era) em Quem Somos Nós.

É difícil dizer onde Candace Pert foi desonesta sobre se os índios americanos viram ou não quando Colombo e o seu pessoal atingiram o horizonte. Colombo certamente não falava a língua local, e os índios não deixaram registros escritos. Só o pajé sabia, e nós estamos cerca de 500 anos atrasados para perguntar.

Mas ela estava certa sobre nós não vermos coisas na frente de nossos olhos se não estamos olhando para aquilo. Um experimento clássico sobre processamento visual envolve pedir para pessoas assistirem um vídeo com 6 pessoas passando uma bola de basquete, e pressionar um botão cada vez que um time em particular passa a bola. Invariavelmente só metade das pessoas notou uma mulher vestida de gorila caminhando no meio da tela durante o jogo. [5]

ELES ESTÃO ERRADOS SOBRE AS NOSSAS AFETAREM A REALIDADE

O filme nos dá dois exemplos de experimentos que mostram o efeito da mente afetando a realidade. Nenhum deles prova isso convicentemente.

01. EFEITO DA MEDITAÇÃO NO CRIME VIOLENTO EM WASHINGTON, DC

O PhD John Hagelin, descreve um estudo que ele fez em Washington em 1992. 4000 voluntários meditavam regularmente pra atingir uma redução de 25% no crime violento pelo final do verão. Ele afirma que a redução foi atingida.

Mas o uso do termo “atingido” para Hagelin é um pouco forte. Ele anunciou em 1994 (um ano após o estudo) que a redução no crime violento foi de 18%. Você pode pensar que deveria ter 18% menos crimes do que o ano anterior, mas a redução foi relativo para o crescimento premeditado por meio de um elaborado trabalho estatístico. Indicadores regulares do crime violento mostram uma versão diferente – o numero de assassinatos na verdade aumentou.

A meditação pode não ter ajudado as vitimas do crime violento, mas ajudaram Hagelin a ganhar em 1994 o premio Ig Nobel da Paz.

02. O PODER DOS PENSAMENTOS NA ÁGUA

“Se pensamentos podem fazer isso com a água, imagina o que nossos pensamentos podem fazer conosco.” Observou um fã do Dr. Masaru Emoto no filme.

Dr. Emoto tira fotos de cristais formados na água congelada. Segundo seus livros, a água exposta a palavras de carinho demonstram padrões brilhantes e bonitos, enquanto a água exposta a pensamentos negativos forma padrões incompletos. Estas fotos podem ser muito bem apenas uma arte – mas é óbvio que não tem nada de ciência.

Se você gostaria de estudar o impacto dos sentimentos que são falados, desenhados, escritos na formação de cristais na água congelada, você tem que fazer um estudo ligeiramente mais rigoroso. Pra começar você teria que tirar um monte de amostras de diferentes partes de cada tipo de gelo. E fazer o estudo sem saber o que foi “dito” pra cada tipo de água, para as opiniões pessoais não influenciarem os resultados.

O ilusionista e cético James Randi, famoso por desmascarar artistas como Uri Geller, tem oferecido seu prêmio clássico de $1 milhão de dólares em dinheiro. Para o Dr. Emoto se ele conseguir ter os mesmos resultados fazendo o estudo da água desse jeito. Até agora, Dr. Emoto não aceitou o desafio. Em compensação ele acabou de lançar o seu terceiro livro de fotos de cristais bonitinhos. [6]

NOTA: leia uma crítica mais elaborada sobre o assunto aqui.

“QUEM SOMOS NÓS?” IMPORTA? É APENAS UM FILME!

Quando você percebe que muitas pessoas estão conversando sobre algo, é hora de se informar. Mas quando você se depara com tanta informação que foi distorcida pra se adequar a moldura da sua vida, as coisas se tornam um pouco confusas é nessa hora que você deve checar os fatos! [7] [8] [9]


GUIA CÉTICO PARA ASSISTIR “QUEM SOMOS NÓS?”

01.Quem São os “Especialistas?”
02.Análise do Documentário.
03.Análise Final e Conclusão.


FONTES

[1] Refutando o “Professor” de “Física Quântica” Laércio Fonseca.
[2]
Guia Cético Para Assistir “Quem Somos Nós?”.
[3]Princípio da Incerteza de Heisenberg.
[4]Fora da Existência de Partículas.
[5]Eles Estão Errados Sobre as Nossas Mentes Perceberem a Realidade.
[6]Eles Estão Errados Sobre as Nossas Mentes Afetarem a Realidade.
[7]Teaching Physics Mysteries Versus Pseudoscience.
[8] The Minds Boggle.
[9]What The Bleep do we Know?!


COLABORAÇÃO

01 Douglas Rodrigues(Pesquisa)
02 
Lucas Muller(Tradução)

 Somos uma plataforma dedicada ao conhecimento que só poderá continuar a existir graças a sua comunidade de apoiadores. Saiba como ajudar.

CONTINUAR LENDO

Douglas Rodrigues Aguiar de Oliveira

https://www.universoracionalista.org/

Graduando em Tecnologia em Redes de Computadores (2018) pela Universidade de Franca (UNIFRAN); quase-graduado em Licenciatura em Filosofia (2014-2017) pela mesma universidade, faltando apenas o Estágio Supervisionado no Ensino Médio para obtenção do título de graduado; especialista em Journey of the Universe: A Story for Our Times (2017-2018) pela Yale University (YU); especialista em Fundamentals of Computer - Network Security (2018) pela University of Colorado (UC); fundador da Organização Universo Racionalista (UR); colaborador do Instituto Ética, Racionalidade e Futuro da Humanidade (IERFH); membro-estudante da Rede Brasileira de Astrobiologia (RBA). Tem interesse nas áreas de Astronomia, Astrobiologia, Biologia Evolutiva, Física, Filosofia Científica, Ethical Hacking, História da Ciência, Microbiologia, Neurociência, Pentest, Psicobiologia, Segurança da Informação e Sociologia da Ciência. Abaixo, segue o endereço do currículo na plataforma Lattes.

Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *